• Roberto Thomazette

Três boas práticas para a integração de dados que você deveria saber


Muitas vezes, ficamos surpreendidos com a falta de conhecimento das pessoas sobre a integração de dados. A integração de dados está entre as 3 principais tecnologias estratégicas que as empresas empregam. A preocupação é que as empresas ainda não estão obtendo o máximo por seu investimento em tecnologia de integração de dados.


Talvez seja hora de examinar tanto as melhores práticas básicas que existem há anos, assim como novas práticas recomendadas que a maioria não conhece. De qualquer forma, é uma boa lista de verificação, para você trabalhar ao expandir ou criar suas soluções de integração de dados.


1. Entender os dados é fundamental


Aqueles que querem integrar dados que não foram definidos no nível de metadados estão fadados a cometer enormes erros. Os erros podem não ser facilmente corrigíveis, como a falta de coleta de informações-chave necessárias para viabilizar análises preditivas ou de outras operações que precisam de acesso a dados históricos.


O problema com esta prática recomendada é que algumas etapas para a definição de seus dados são amplamente desconhecidas no mundo da integração de dados. Hoje em dia, temos ferramentas e tecnologias que não só nos ajudam a definir os dados encontrados em nossos sistemas de origem e de destino, mas também gerenciam os metadados em andamento. À medida que as coisas mudam, podemos redefinir, além de fazer mudanças automaticamente em nossa tecnologia de integração de dados.


2. A segurança não pode ser pensada depois


"Ah, sim, segurança" ... Ouvimos isso muitas vezes. A segurança da integração de dados precisa ser sistêmica. Não importa se você planeja criptografar dados em repouso e dados em movimento, a abordagem de segurança, modelos e tecnologia precisam ser predeterminados antes de implementar sua solução de integração de dados.

A boa notícia é que existem novas opções atualmente, que não estavam disponíveis há alguns anos. Gerenciamento de identidade e acesso (Identity and access management, IAM), por exemplo. Embora isso possa não ser adequado para todos os tipos de problemas de integração de dados, existem muitos casos em que o uso de identidades pode funcionar bem para os tipos de serviços de segurança necessários para apoiar a integração de dados.


A coisa mais importante a entender aqui é que a segurança precisa ser sistêmica. Você precisa planejar isso.



3. Reúna habilidades antes de começar


Então, quais são algumas das habilidades mais difíceis de encontrar? Computação na nuvem? IoT? Não. As mais difíceis são as capacitações em integração de dados.


Na verdade, a competição por um bom talento de integração de dados é feroz e como alguns dos melhores especialistas migram suas carreiras para se concentrarem em assuntos que estão mais na moda, como a computação na nuvem, isso parece piorar.


Embora a busca por talentos seja desgastante, é fundamental que as empresas comecem a procurar os melhores profissionais, antes de começar sua jornada para se tornarem empresas bem integradas. Aqueles que tentarem encontrar os talentos durante o processo, verão que essa abordagem não funciona.


Não importa onde você está na jornada de integração de dados. Aprender as abordagens mais eficientes faz parte do jogo. É bom ressaltar também de que as melhores práticas mudam frequentemente. Manter-se atualizado sobre essas mudanças é um bom investimento.



Conclusão


Os desafios para estruturação e execução do seu projeto de integração de dados podem ser superados com o acompanhamento de uma consultoria experiente, para desenvolver uma estratégia e um planejamento adequados, que oriente tanto as decisões referentes às soluções técnicas e conceituais, visando atender as necessidades corporativas, com o melhor retorno sobre o investimento. Consulte-nos.


Não deixe de ler os outros textos de nosso blog, onde abordamos vários assuntos relacionados a BI, BA, MDM, governança e integração de dados e saiba como as organizações estão se beneficiando com esses recursos.